Curta o TV Ecologia no Facebook!

Eco-blogs

Blogs recomendados

Estatisticas

Siga pelo e-mail!!!

Postagens populares

Seguidores

Vinícius por Vinícius

Minha foto
Serra Negra, São Paulo, Brazil
Sou estudante do 8° semestre do curso de Administração na Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas). Atualmente moro em Serra Negra - SP, cidade do interior do Estado de São Paulo. Me siga nas redes socias: Twitter: https://twitter.com/vinicius_sn | Facebook: https://www.facebook.com/vinicius.sousa.3192 | Snapchat: viniciuslapa | Instagram: https://www.instagram.com/viniciussol/

Nossos Arquivos

Pessoas On-Line

Que marcas você quer deixar no planeta? Calcule sua Pegada Ecológica.

Previsão do Tempo

Direitos Autorais

Creative Commons License. TV ECOLOGIA está licenciado por Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-vedada um Criação de Obras Derivadas 3.0 Licença Brasil baseado nos trabalhos do TV ECOLOGIA. Permissões além do escopo desta licença pode estar sendo solicitada entrando em contato conosco.
domingo, 13 de dezembro de 2009

O rio penetra no interior do monastério na medida permitida pelo muro que o cerca; passa primeiro através do moinho de grãos, onde suas águas são utilizadas para a moagem sob o peso da mó e para manobrar a fina peneira que separa a farinha do farelo; em seguida, as águas confluem para um edifico contíguo e enchem a caldeira, na qual se fermenta a cerveja para os monges, caso seja necessário, em período de escassez de vinho. Depois disso, o rio ainda não terminou sua tarefa e deve passar pelas máquinas de apisoamento que estão instaladas depois do moinho de grãos e, se antes o rio realizava sua obra para a preparação do alimento dos confrades, agora lhes serve na produção dos tecidos, obedecendo docilmente. Ergue e abaixa os pesados blocos de madeira das máquinas de apisoamento ( ou pisões, ou se preferirem, martelos, ou ainda pés de madeira: este último nome parece mais adequado, pois os apisoadores socam com os pés, saltando de modo rítmico); se me permitem intercalar uma brincadeira séria nesta descrição, o rio os absolve de todas as penas de seus pecados... . De fato, quantos dorsos de cavalo, quantos braços humanos a faina do apisoamento teria arrasado! Mas desta faina nos liberta o rio e dela nos faz dádiva; ademais, sem o rio, como poderíamos algum dia nos vestir e matar a fome? O rio põe tudo em comum e, por seu trabalho, realizado sob o sol escaldante, não pede outra recompensa senão a permissão de seguir adiante, depois de ter cumprido todas as suas tarefas com rapidez e solicitude. Além disso, quando a energia do rio faz girarem velozmente todas as rodas, ele gera espuma e parece que moeu a si mesmo e ficou mais cansado. Depois, ele entra no curtume, ode dedica seus cuidados e seu trabalho à preparação do material necessário para os calçados dos monges; divide-se, então, em vários pequenos rios, e em sua corrida apressada passa por inúmeros compartimentos, chegando até onde os seus serviços são necessários para os mais diversos escopos: cozinhar, girar as engrenagens, fracionar, banhar, lavar, moer, suavizar, sempre oferecendo de bom grado os seus serviços; por fim, para merecer completamente os agradecimentos e para não deixar nada incompleto, transporta consigo os detritos, deixando tudo limpo.

0 comentários:

©2012 TV Ecologia. Tecnologia do Blogger.